Como me tornei uma Artista do Ar

Vou te contar a história de como deixei de ser atriz para ser uma aeromoça.

Eu sempre gostei de me comunicar com as pessoas. Na realidade, sempre quis fazer diferença na vida das pessoas. Um sonho bobo, de criança, mas legítimo. Pensei que isto fosse acontecer no teatro, onde eu poderia me expressar livremente e mudar o mundo através da arte e todos viveriam felizes para sempre. Porém, veio a vida adulta, para me mostrar que antes de mudar o mundo eu precisaria pagar alguns boletos bancários. Quando eu fiz o curso de comissária de bordo, não sabia se era isto mesmo que queria para minha vida. Sim, viajar é bom, conhecer pessoas, lugares diferentes. Mas voar profissionalmente, o babado era mais embaixo! Teria que abandonar o teatro, fato!

Houve um período de luto por ter deixado o teatro, a rotina de ensaios, o frio na barriga para entrar em cena. Os processos seletivos da aviação me faziam lembrar as nervosas audições para atores, onde dávamos o melhor de nós para conseguir o papel principal. E isto nem sempre era possível.

Foi só quando conquistei meu emprego na aviação e me vi inserida num elenco que as coisas começaram a mudar. Era um elenco de homens e mulheres com histórias pra contar e seus nomes de guerra que mais pareciam nomes artísticos. Eram os tripulantes.

Fui pegando a dinâmica do voo e percebendo a minha rotina como performances. Todos os dias eu tinha a oportunidade de me apresentar (e é assim que falamos quando começamos um voo, respeitando o horário da “apresentação”) e de receber aplausos ou não. Mas quanto mais ensaiasse e treinasse o meu script, sabia que me sentiria mais segura diante de qualquer platéia.

Uma platéia de 118 pessoas por voo, com quatro voos em média por dia, é uma multidão de se respeitar. Uma platéia de críticos, exigentes, mais do que clientes, astros convidados para uma estréia a cada voo. Recebê-los é uma arte, encantá-los faz parte. E eu ainda sinto um baita frio na barriga antes de entrar em cena.

Hoje percebo que valeu a pena fazer a escolha por uma profissão que me oportunizasse conhecer outras histórias e encenar personagens tão diversos que fizessem a diferença na vida daqueles que embarcam comigo nas minhas viagens. Um dia sou psicóloga e lido com o medo de alguém de voar. No outro, sou uma enfermeira, preocupada com a febre do bebê de uma mãe aflita. Há dias que só me divirto, criando conexões reais com pessoas que se tornam amigos.

Por isso, a minha preparação para voar é sempre um ensaio meticuloso; Separando o uniforme, arrumando as roupas para o pernoite na mala e escolhendo cuidadosamente a maquiagem que vou usar. E foi assim que fui me tornando uma artista do ar, com todos os anseios e recompensas de um grande espetáculo. Mas é necessário continuar treinando, ensaiando o meu roteiro e seguindo minhas falas até o próximo “tripulação, prepara para a decolagem”.

Compartilhar

2 comments on “Como me tornei uma Artista do Ar

  1. Linda história, vc tem mesmo o jeito para teatro…. amei o texto… ???????

Deixe uma resposta