Natal no Avião: Como as aeromoças recebem sua escala de final de ano.

Saiu a escala de Dezembro! Rebuliço entre os tripulantes. A pergunta na boca do povo é “Você ganhou Natal ou Ano Novo?”… Os insatisfeitos enchem os pulmões para proferirem seu longo discurso sobre a inabilidade do sistema de pedido de folgas. Os satisfeitos observam inertes, cientes que no próximo ano poderão ser a próxima vítima.

Sempre fico eufórica com a chegada do Natal, especificamente. Já falei sobre isso no post “Quando a festa é longe de casa”. Carnaval também me arrebata, São João é uma delícia, mas o Natal… É para ele que meus olhos brilham. As luzes natalinas sempre me comovem e não tem como não me lembrar das árvores de Natal que a minha mãe monta comigo, da alegria da chegada das datas festivas, das programações de viagem em família.

Final de ano é engraçado, é uma representação de fechamento de ciclo, embora todos saibamos que as mesmas contas virão, o mesmo sol  que queimava em Dezembro continuará rachando sobre nossas cabeças em Janeiro e provavelmente daremos continuidade às mesmas atividades do ano que passou.

Para os Comissários de Voo, o ano passa sempre voando, com a licença do trocadilho inevitável. De escala em escala, de papel em papel, a gente vai programando nossa vida. Nossos compromissos como médicos, supermercado, pagamentos e raros encontros entre amigos são inteiramente dependentes daquele papel difícil de decifrar, cheio de códigos, siglas Iata que definem nossos destinos, horários, horários, horários… Nossa vida é tão pautada em minutos que não vemos o ano passar.

Assim foram os anos que se passaram. Os nove Natais e Anos Novos, uns voando, outros em companhia dos meus familiares, alguns sozinha. Assim serão os próximos e neste ano, por conta de uma alta demanda de vôos, fui escalada para voar nas duas datas. E tudo bem. Eu sabia que seria assim, a minha vida de aeromoça.

Sabia que teria que compensar a minha falta nas datas de final de ano e aniversários, sabia que nem tudo seria glamour. Meu presente do Papai Noel  chega quando recebo o beijo carinhoso de uma criança no vôo… Seu olhar encantado é que o meu coração vibrar e sentir que sigo voando no caminho certo.

Compartilhar

Deixe uma resposta