Por quê os vôos atrasam?

E os passageiros se stressam?

Vamos fazer uma brincadeira. Chama-se calçar sapatos. Vamos calçar os sapatos de Maria de Fátima Albuquerque* que está viajando a negócios pela companhia aérea que você trabalha. Sra. Maria de Fátima saiu da casa às 03h30min da manhã, pois o vôo estava marcado para as 06h00min a decolagem e ela precisa estar, no mínimo, uma hora mais cedo para fazer Check In, despachar a bagagem e se dirigir a sala de embarque. Maria de Fátima não pôde tomar café da manhã, porque mora longe. E o frio penetra-lhe as vestes como se fossem punhais invencíveis.

Maria de Fátima acaba de saber que haverá um atraso ocasionado por meteorologia. Seu aeroporto de destino está fechado por mau tempo e o pior é que ela tem uma importante reunião marcada para as 09h00min da manhã.

Luciana* acordou às duas da manhã. Ela vai fazer uma reserva no aeroporto, que se iniciará às 05h00min. Teve que se maquiar e arrumar os cabelos tão cedo porque a Van da companhia aérea pega ela em casa às 03h00min, antes de buscar outros comissários que moram mais próximo do aeroporto. Luciana também mora longe.

A escala ligou e acionou a Luciana para o vôo que teria a decolagem para as seis da manhã, no entanto a tripulação que efetuaria o vôo irá regulamentar, pois haverá atraso por mau tempo, sem previsão para a decolagem.

O Sr. João* está no Rio de Janeiro para seu vôo que será as 08h00min da manhã. Ponte aérea que ele sempre faz, pela mesma companhia, há pelo menos um ano. O João é passageiro frequente, viaja várias vezes por semana e até sabe o nome de algumas comissárias de bordo. Uma delas sempre o serve com “o de sempre”: Água e sanduíche de peito de peru, já sabe sua preferência. A aeronave que efetuará o seu vôo ainda não pousou e o tempo está lindo no Rio.

O que a Maria de Fátima, a Luciana e o João têm em comum? Todos terão seus vôos atrasados. A Maria de Fátima irá entrar no avião muito chateada com a Luciana, que representa a empresa que prometeu uma decolagem às 06h00min, mas já são 09h00min horas e ela acaba de perder a reunião super importante no seu destino. A Luciana, que fora acionada para fazer este vôo, terá que explicar, junto com sua tripulação, os motivos do atraso e tentar reverter à situação para que a Maria de Fátima se sinta bem atendida, com suas necessidades satisfeitas.

O João irá pegar o vôo somente ao meio dia, pois o avião que iria efetuar seu vôo às 08h00min acabou de chegar. Foi o mesmo que efetuou o vôo da Maria de Fátima, levando-a até aquele aeroporto que abriu há três horas. O João irá perguntar para a Luciana o motivo do atraso absurdo e a Luciana responderá que foi por mau tempo. “Mas como?” Dirá o João; “Se aqui no Rio o céu estava claro?”.

Alguns passageiros ficarão indignados, reclamarão seus direitos no balcão do Check In.  Eles têm razão de estarem chateados, têm compromissos inadiáveis. Mas não é culpa do agente de aeroporto que São Pedro não tenha colaborado com a aviação naquele dia.

Soma-se a isso alguns aspectos relativos à infraestrutura aeroportuária no Brasil, como pistas sem condições para pouso, atrasos por falta de espaço no pátio para aeronaves, acúmulo de aeronaves para decolagem e congestionamento de tráfego aéreo ou manutenção não programada em aeronaves que precisarão ser reparadas, para a segurança de todos (São máquinas, não são mágica). Os atrasos se acumulam, os passageiros se chateiam e os funcionários de companhias aéreas envelhecem, consumidos por uma culpa que nem sempre lhes pertence.

Com toda esta rede dinâmica que é a aviação, qual é a moral da brincadeira de calçar os sapatos? Entender que todos tem razão e a culpa não é de ninguém. O cliente não precisa estar sempre certo e o funcionário não pode ignorar os transtornos causados pelo atraso, seja ele qual for. Não precisa haver esta disputa que vem culturalmente, da época do caos aéreo, onde todos pareciam ter o direito de gritar, reclamar e até agredir por causa dos seus transtornos. Não somos bichos, somos seres humanos e precisamos nos colocar no lugar do próximo.

*Todos os nomes são fictícios, bem como as situações. Mas qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência.

Lídia Dourado

  • 0

    Avaliação geral

  • Avaliação dos leitores:0 Votos

Compartilhar

Sobre Lídia Dourado

Uma Comissária apaixonada pelo que faz.

Você também pode gostar de

25 comments on “Por quê os vôos atrasam?

  1. Lidiaa Super curti seu texto.
    Bem verdadeiro!
    bjs

  2. Poooooxa 🙁 fomos abandonadas! também estou muito ansiosa pelo próximo post! cadê você Maaaari! hahahah 😀

  3. Fomos abandonadas? Que saudade!!! Beijos, Mari

  4. Ansiosa demais também!!! Beijos, Mari

  5. Ansiosa por mais posts! 🙂

  6. Acho que a pergunta que voce fez no título nem sempre é respondida claramente pela companhia aérea aos passageiros, e esses por sua vez consumidos pelo stress diário da sociedade, não procuram saber o motivo e só reclamam, reclamam e reclamam, geralmente com quem não tem nada a ver.

    Agora uma coisa no texto que me trouxe uma dúvida, a van da empresa pega o comissário em “casa” mesmo quando ele está em sua base?

    Beeijoos! Saudades!

    • Tai, só no período das 23:00 às 06:00 da manhã, quando não dispomos de transporte público. Mas a responsabilidade pelo transporte até o aeroporto na base é do tripulante.
      Um beijo!!!

      • aaaaa, tá 😀 agora sim entendi, lembro que nas aulas de regulamentação sempre falavam que o transporte na base era responsabilidade de comissário ai fiquei confusa.
        Beijos!

  7. Opa, tema interessante!

    Achei engracado que você escreveu “a escala ligou”hehe. mas vem cá, quando você falou que a tripulacão iria “regulamentar”, isso quer dizer que eles iriam confirmar pra ela?

    • Regulamentar significa que você está atingindo seu limite diário de jornada, que nesse caso são 11 horas, e então não pode seguir o voo e a escala aciona quem está de reserva ou sobreaviso pra assumir no seu lugar.
      Por exemplo, se sua apresentação é às 06:00, o corte dos motores tem que ser até às 16:30, porque a jornada acaba meia hora depois do corte. Ou seja, 06:00-16:30 + 00:30 = limite de 11h de jornada.
      Espero ter conseguido explicar. Beijos

    • Bom questionamento, Julinha… A Kenia explicou mt bem!
      Bjs

  8. Perfeito, Lídia! Nem desenhando estaria melhor explicado!
    Pena que o ser humano não seja perfeito assim…

    Beijos e bons voos!

  9. Simplesmente fantástico seu texto, é muito interessante enxergar a situação a partir do olhar do outro. Admiro muito a aviação, fazer parte dela deve ser lindo e desafiador!Bjks Lídia.

  10. Verdade Lídia, isso é a pura realidade, sabemos que essa situação acontece com mais frequência do que podemos imaginar. Devemos sempre nos colocar no lugar do próximo, mas infelizmente nem todo mundo consegue fazer isso, e acabam descontando suas raivas em qualquer um, principalmente no comissário, que é o representante da empresa.

    • Mi, quando trabalhei em solo, como agente de aeroporto, senti na pele isso aí. Eles também sofrem com os atrasos!

  11. Olá Lídia! Comecei a ler seu blog ontem e gostei muito. Vc é inteligente e aborda os assuntos de maneira imparcial e muito interessante de se ler. Quero aproveitar pra lhe falar que sou quase seu colega de trabalho. Tudo dando certo, voarei entre esse ano e o próximo! Quem sabe não nos encontraremos nos aeroportos do Brasil, hã! Um abraço e permaneça nos subsidiando de valiosas informações, análises e notícias DO AR!

    Sucesso pra vc!

    • Oi Lucas, que bom que você gostou do blog.
      E que ótimo que tudo está dando certo e você estará voando em breve! Seja bem vindo e aproveite bastante este momento profissional de muitas realizações.
      Um abração! E sucesso!!!

  12. Adorei o post, pq eu sempre fico me perguntando pq as pessoas nao entendem q qd o aeroporto fecha ou o voo atrasa, a culpa nao eh da gente, nós estamos ali passando a informaçao, e q pra todos eh melhor qd o voo sai no horário.

    Bjus e sucesso no blog
    elaine

    • Pois é, Elaine.
      Nós adoraríamos que tudo saísse na mais perfeita ordem, não é verdade?!
      =D
      Sucesso!!!

  13. Bom dia Lídia!
    Muito interessante esse novo post.

    Claro que ninguém quer chegar ao seu compromisso atrasado, mas, as vezes Lídia o cliente esquece que há sempre os “imprevistos”. Existirá mil e um fatores para a ocorrência de um atraso de voo, infelizmente são riscos que corremos. Mas como você citou, a empatia do comissário com o cliente é super importante nessa hora, assim como o cliente também terá de ter um pouco de compreensão. Acho que essa situação seria um fator decisivo na conquista do cliente, porque existem pequenas ações que vão fazer muita diferença.

    • Querida Iane,
      Se eu pudesse sugerir uma coisa aos passageiros (e isso vale também para nós, comissários, quando viajamos como extra particular, ou seja, utilizamos o benefício de viajar pela nossa companhia aéra a passeio) que sempre marquem seus vôos com um dia de antecedência ao compromisso marcado. Por exemplo, se temos uma reunião às 09:00 da manhã, como citado no post, o ideal é que viajemos no dia anterior, pela tarde, no penúltimo vôo do dia, prevendo um possível atraso, cancelamento ou manutenção não programada. Neste caso, garantimos a nossa ida no vôo seguinte ou, em último caso, no vôo que prescede a tal reunião.
      É claro que o dia a dia corrido e a vontade de ficar um pouco mais em casa muitas vezes leva as pessoas a voar tão “em cima” do compromisso e, havendo contratempos, a se irritar com eles.
      Como vc brilhantemente citou, nós, comissários, temos que ter o JOGO DE CINTURA! rsrs
      Um beijão!

  14. Devo admitir que nunca analisei por esse ângulo.
    Mas infelizmente JAMAIS, todos os passageiros serão compreensivos com a situação.
    A cada 10, sempre terá aqueles 2 que entenderão, e aguardarão o momento oportuno para o embarque. Terá tbm, aquele 1 que é barraqueiro, onde por mais que explique, ele quer fazer zuada dentro do recinto, e mais 7 “Marias vão com o outro”, q tbm começarão a berrar!

    Tenso! =x

    • Tensoooooooo!

      Adorei seu comentário, Allan… Bem isso mesmo.

Deixe uma resposta